Atendimento (Segunda à Sex de 8h às 18h)
(31) 3524-3200 - CNPJ 27.147.298/0001-13
 
CARRINHO DE COMPRAS 0 R$0,00

 Conheça um pouco sobre este equipamento complementar.

  1. O que é uma V.R.P.?

    Como o próprio nome diz é um mecanismo que recebe, por um lado, entrada de água com pressão alta e a libera com pressão baixa, pelo outro lado, na saída.

  2. Por que utilizar uma V.R.P. para instalar um bebedouro?

    Nem sempre será necessário utilizar uma V.R.P.. Qualquer aparelho que tenha a água como ponto central de aplicação necessita de ter controle sobre a pressão da água no seu interior. E os bebedouros e purificadores são um destes aparelhos. A razão técnica desta necessidade é que seus componentes internos são dimensionados para suportarem apenas uma pressão média de entrada d'água, pressão esta considerada padrão na maioria dos pontos de instalação dos aparelhos. Caso contrário, se os seus componentes fossem dimensionados para receberem altas pressões, os seus custos inviabilizariam a sua comercialização. Por isto eles são fabricados para trabalharem com pressão padrão e somente para as exceções será necessário reduzir a alta pressão para não danificar seu aparelho.

  3. Quais os danos que a alta pressão pode acarretar ao aparelho?

    a) romper ou desconectar as mangueiras internas de condução da água, e assim esta vazará continuamente, e que se não descoberto a tempo poderá vir a inundar o ambiente da instalação;

    b) "explosão" interna do filtro através do rompimento das suas câmaras internas, liberando o carvão ativado, cujas partículas granuladas, fatalmente entupirão as mangueiras internas de condução da água, reduzindo drasticamente a saída dágua e, em casos mais graves, os granulados mais finos poderão atingir o interior dos registros e válvulas, provocando seu entupimento permanente, e conseqüente perda total destes componentes;

    c) danificar o mecanismo interno de fechamento dos registros e válvulas, comprometendo, desta forma, a sua perfeita vedação, ou seja, a "torneira" ficar pingando;

  4. Como saber se no meu caso será necessário a redução da pressão?

    Umas das informações técnicas constantes nos manuais é a pressão máxima que o aparelho suporta. A nomenclatura da sua medida é a de m.c.a., que se traduz por metros de coluna de água, popularmente conhecida por "altura da caixa d'água". O cálculo é feito considerando 3m.c.a. para cada pavimento acima do seu, até chegar na caixa d'água, que deve ser contada como mais dois pavimentos. Os aparelhos da Líder são projetados para suportarem até 20m.c.a., o que equivale a uma altura de 4 pavimentos mais uma caixa d'água acima do ponto de instalação. Por este cálculo conclui-se que num prédio de 10 pavimentos somente os pavimentos de 6 a 10 é que não necessitarão utilizar a V.R.P.. Todos os demais necessitarão.

  5. E se eu conectar o aparelho diretamente na "água da rua"?

    Não é recomendável e nem eficiente instalar o aparelho diretamente na "água da rua". As V.R.P. reduzem a pressão de saída em relação a pressão de entrada. Tomemos como exemplo a relação de 3x1, onde a pressão será reduzida 3X, de forma que, se na entrada ela for de 60m.c.a., na saída ela será de 60/3= 20m.c.a.. Por este resultado o aparelho estará perfeitamente seguro contra os danos da pressão alta. Ocorre que ao longo do dia e principalmente durante a noite é comum em alguns pontos da cidade ter a sua pressão da "água da rua" aumentada, por exemplo, para 90m.c.a.. Passando pela V.R.P. a pressão continuará sendo reduzida 3X, mas o resultado será de 90/3= 30m.c.a., o que certamente colocará em risco o seu aparelho.

  6. As V.R.P. reduzem a pressão apenas na relação 3X1? Não. As V.R.P. possuem regulagem que permite variar a relação de redução. No exemplo acima onde à noite a "pressão da rua" subiu de 60 para 90m.c.a., bastaria regular o parafuso para outra relação, como 5X1, e assim a pressão seria reduzida para 90/5= 18m.c.a.. No entanto, neste exemplo, este procedimento teria de ser feito diariamente para acompanhar a oscilação da pressão e não danificar o aparelho, mas impraticável no dia-a-dia.

  7. E se eu regular a V.R.P. considerando a pressão máxima que a "água da rua" normalmente atinge à noite?

    Certamente o seu aparelho estará protegido contra os danos descritos, mas estará sujeito ao descontrole da pressão na saída dos esguichos. Ora o esguicho será curto e fraco e ora o esguicho será forte e longo a ponto de "cair diretamente no chão". Este será o único inconveniente no caso da instalação utilizando a "água diretamente da rua" e se estiver com a V.R.P. devidamente regulada.

  8. Como é feita a regulagem das V.R.P.?

    A regulagem é feita através do parafuso único destacado no corpo da V.R.P.. Girando o parafuso no sentido anti-horário, ou no sentido de desenroscar, a pressão de saída irá diminuindo gradativamente até atingir a maior redução de pressão possível, a ponto de fechar por completo a passagem da água. Na situação contrária, girando-o no sentido horário, ou no sentido de apertar, a pressão de saída irá aumentando gradativamente até atingir a relação de 1X1, que é a livre passagem da água, ou seja, a pressão de saída é a mesma da entrada. Importa saber que para girar o parafuso, seja no sentido horário ou anti-horário, é necessário antes afrouxar a porca existente na sua base. Após a regulagem é necessário apertá-la novamente, pois ela é a responsável em manter o parafuso travado na regulagem desejada.

  9. O registro geral de parede que já tem na minha casa pode ser utilizado como V.R.P.?

    Não. Este registro regula apenas a quantidade de água que passa pela tubulação, mas ele não reduz em nada a pressão da rede, e os danos ao aparelho continuará.
  10. Qual é a pressão máxima que a V.R.P. suporta na entrada e quais são as relações de redução possíveis de se obter na sua saída através do parafuso de regulagem?

    As V.R.P. fabricadas pela Líder suportam pressão de entrada de até 90m.c.a., e através da regulagem é possível obter inúmeras relações de redução, desde a máxima de 90X1, e gradativamente passando pelas intermediárias 89X1, 88X1, 87X1, ..., 12X1, 11X1, 10X1, 9X1, ... , até a mínima redução, que é a passagem livre da água quando a relação atingir 1X1.